sexta-feira, 6 de março de 2009

Pelos rascunhos

Eu te liguei ontem, mas a música estava muito alta no meu quarto e o pessoal não quis calar a boca. Pensei que você ficaria puta comigo e nem me mandasse aquela mensagem. Que bom! Que bom você não ser tão previsível como todos os outros. Bom também foi ouvir você irritada por não entender nada do que eu falava e gritar que ia desligar na minha cara. No fim da noite o pessoal foi embora, afinal quinta-feira não era dia de ninguém querer morrer de beber na casa dos outros. Tá certo, eram meus amigos e eu adoro recebê-los...
Mas talvez se você tivesse aparecido eu nem teria notado que dia era, em que mês estávamos ou se ainda tinha comida. Você me cobraria a cerveja gelada e eu te deixaria sozinha apenas para buscar outra. Ainda que a casa estivesse cheia, iria num pulo da varanda à cozinha para não deixar que um qualquer emendasse uma resenha contigo. Não seria ciúmes, só cuidado, carinho. Ok, ok. Você tem outras pessoas...mas e daí? Eu também tenho e quero estar sempre do seu lado pra que nenhum se meta com você (o trocadilho é por sua conta). O que eu não consegui fazer foi não sentir sua falta a cada lúdica música ou mesmo as francesas. Ou de fazermos mil textos rascunhados no banheiro e rir, rir, rir muito daquilo tudo. Descer as escadas com pressa, com medo, com vontade de parar e continuar nos olhando pra entender o porquê das coisas. Mas o que interessa é que hoje chegou e que vou poder te ver mais e mais. Rir dos seus acessórios, conversar sobre peculiaridades nossas e ser, novamente, só eu e você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário