sábado, 31 de janeiro de 2015

autocorrect

Às vezes a Pollyanna cansa.
A Ana que canta, dança e odeia.
Cobrança, cobrança, cobrança.
A Ana que ama também esperneia.