terça-feira, 27 de maio de 2014

Travessuras noturnas de uma senhora de 60 anos

Era fim do expediente e eu voltava para casa, mas desta vez optei por uma calçada diferente. A mudança, de fato, trouxe algo novo: uma senhorinha caminhando soterramente no passeio com embrulhos nas mãos.

Tinha acabado de voltar do supermercado, mas carregava no rosto uma expressão muito mais contente do que a de szalguém que só comprara os itens faltantes no fim do mês. Foi quando percebi que uma de suas mãos estava lambuzada de chocolate e que ela saboreava um croissant com a mesma energia que as crianças na porta do colégio devoravam a pipoca de rua. 

Era fim do expediente para mim, mas para aquela senhora era o início de uma façanha gostosa de uma noite de outono. Com a doçura lambuzando-lhe os dedos ela deixava o rosto sorrir de alegria sem pensar que mais tarde o filho ou o marido lhe mediriam os índices glicéricos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário